Empresas começam a avaliar emergencialmente pontes em situação de risco em SP

Laudo sobre situação de 8 estruturas na Marginal Tietê fica pronto em 120 dias; pontes têm rachaduras, fiações expostas e infiltrações.

Mapa de pontes de SP com problemas
As pontes alvo de preocupação da Prefeitura em situação de ‘extrema gravidade’ — Foto: TV Globo/reprodução

As empresas contratadas de forma emergencial pela Prefeitura de São Paulo começaram os trabalhos de vistoria de oito pontes da Marginal Tietê, na capital paulista, apontadas como “em situação de risco”. As empresas vão avaliar estruturas classificadas como em situação de “extrema gravidade” por técnicos da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras.

As estruturas serão alvo de inspeções especiais, vistorias, ensaios, laudos técnicos para verificação das obras. As empresas possuem 120 dias para realizar os laudos, que, segundo a Prefeitura, darão uma “radiografia” da situação de cada ponte.

Em novembro, um viaduto na Marginal Pinheiros cedeu 2 metros, causando transtornos à população. Na última semana, a Prefeitura interditou uma ponte que leva à rodovia Presidente Dutra, pela Marginal Tietê.

As pontes alvo de preocupação e que serão vistoriadas são a da Freguesia do Ó, da Casa Verde, das Bandeiras, Cruzeiro do Sul, Jânio quadros, a do Tatuapé e outras duas que ligam as marginais à Rodovia Presidente Dutra. São caminhos bastante utilizados por motoristas, pedestres e ciclistas.

Em uma ronda pelas pontes, a reportagem do SP1 em encontrou nas estruturas situações como infiltrações, fiações e rachaduras. Na Ponte da Freguesia do Ò, na Zona Norte, é possível encontrar uma rachadura em uma das bases de sustentação, além de sinais de passagens e batidas dos caminhões. Já na ponte da Casa Verde, há infiltração, fiação exposta e ferragem aparente. Em alguns pontos, até a ferragem desapareceu.

Na ponte das Bandeiras, na marginal Tietê, caminhões com altura acima da permitida colidem com a estrutura. O concreto danificado e os ferros retorcidos mostram que muitos passaram por aqui com carga mais alta que o limite de 4,5 metros.

A ponte Jânio Quadros, também chamada de ponte da Vila Maria, tem concreto quebrado e ferragem aparente.

Nesta quarta-feira (30), o Tribunal de Contas do Município de São Paulo vai analisar o pedido do prefeito, Bruno Covas, para rever uma decisão de novembro de 2018 e liberar sem justificativa prévia a contratação emergencial de empresas para vistoriar as pontes e viadutos da cidade.

Fonte: G1

There are no comments published yet.

Leave a Comment